Páginas

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Quinquagésima Quinta Carta: Tão simples quanto...

"Aqui falo de um momento ruim e ali falei de um momento bom. Mal sei o que farei lá na frente. São coisas diferentes e complementares, tão simples quanto Ver, Ouvir e Falar. Muitos querem nos ver cair e chorar, ou levantar e sorrir. Muitos querem ver nossa desgraça, e outros até nossa vitória. Muitos vão ouvir das nossas falhas, muitos vão ouvir das nossas vitórias. Mas há diferença no que tem de mais: poucos vão falar das nossas vitórias, mas muitos vão falar das nossas derrotas. Podemos ter uma vida toda de acertos, mas é um único erro que nos condena. Não importa o quanto tentemos acertar. A verdade é que nem adianta tentar impedir que isso aconteça. Errar permite evoluir e evoluir permite se descobrir. Quem se descobre, quem olha para trás e compara com o agora sente o que deve: felicidade ou tristeza; vai sorrir ou vai chorar, mesmo que pouco tenha mudado. Tão simples quanto Ver, Ouvir e Falar está o fato de que mudamos, querendo ou não, para bem ou para mal, mas sim mudamos e temos de ser nós que definimos o quão mudamos, porque mudamos. Mesmo que mudemos sem saber, não é lá a pior das coisas. Tão simples quanto Ver, pois devemos saber o que fazemos, o que encontramos, saber separar o útil do que se toma como resto e saber separar no resto o que pode ser mudado para melhor. Sempre mudar. Tão simples quanto Ouvir, pois entender é um dádiva que só quem muito é atento tem, pois compreender é a evolução de entender e ouvir, e essa mudança se faz válida para crescermos. Sempre mudar. Tão simples quanto Falar, pois dizer também é mostrar, e falar, contar, gritar, confabular, balbuciar e até gemer são evoluções de um gesto, ainda que não seja o básico como se quer. Sempre mudar. E é tão simples quanto Ver, Ouvir e Falar, pois mudar e mostrar que mudamos é um presente que só quem sabe do básico pode gozar, e só quem tem do básico para tal pode estabelecer uma evolução com base no que até então é simples. Tão simples quanto..."

Cartas Diretas,
obrigado.
Postar um comentário